Genética

Durante a gestação, uma pequena quantidade de células fetais podem atravessar a barreira placentária alcançando a corrente sanguínea da gestante. Baseado neste princípio, o teste de Sexagem fetal utiliza como material biológico amostra de sangue periférico materno para a determinação do gênero do feto.

O teste não é recomendado para fins de diagnóstico de síndromes ligadas ao cromossomos sexuais.

É um teste não-invasivo, possui índices de acerto superior a 99% quando coletado após a oitava semana de gestação.
Por outro lado, em alguns casos o resultado pode ser inconclusivo.
Isso pode ocorrer devido a limitações técnicas ou possíveis interferentes na amostra. Neste caso, será necessária uma nova coleta após o período de 15 dias para repetição do teste na nova amostra.

Alguns medicamentos como anticoagulantes à base de heparina* podem inibir o teste, levando também a resultados inconclusivos.

*Jamais suspender o uso do medicamento sem consentimento do médico para a realização deste teste.
Resultados

Reportáveis:
Sexo Feminino
Sexo Masculino
Inconclusivo: Não foi possível determinar o sexo fetal

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório

Com os perfis genéticos obtidos para cada indivíduo, são calculados o Índice de Paternidade (IP) e a Probabilidade de Paternidade (PP) de acordo com a frequência alélica encontrada na população brasileira (Aguiar et al, 2013; Raimann et al, 2012), assumindo-se uma probabilidade de paternidade a priori e 0,5. O IP indica as possibilidades de o filho requerente ser filho biológico do suposto pai contra a possibilidade de não ser. Já a PP representa a probabilidade, em porcentagem, do suposto pai testado ser o verdadeiro pai do filho requerente.
A análise de cada caso é dependente das informações fornecidas pelos envolvidos no momento da coleta do material biológico.
Este teste visa a identificação do vínculo genético de filiação entre o (a) filho(a) requerente e o suposto pai, a partir das amostras biológicas do filho requerente, mãe biológica do requerente e suposto pai. O exame baseia-se na investigação de informações em regiões cromossômicas altamente polimórficas denominadas STR´s (short tandem repeats). São analisados 22 marcadores STR autossômicos e 2 marcadores STR para a identificação do sexo dos periciandos (amelogenina e o DS391 do cromossomo Y). O laudo traz todas as informações referentes à coleta (local, data e responsável pela coleta e identificação), informações técnicas e cálculo do índice de paternidade.
No resultado e conclusão são evidenciados os alelos obtidos e a probabilidade do suposto pai ser o pai biológico do filho testado.

Cariótipo é o exame que permite o estudo dos cromossomos humanos. Tem o objetivo de identificar alterações cromossômicas numéricas e estruturais.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório

Questionário: preenchimento obrigatório

Dúvidas? Vamos conversar!